xitizap # 9 | a invasão dos smelters | evasões em Kyoto ? | notícias de Mavoco | elektro papos | astro stuff | links & downloads

evasões em Kyoto ?




a BHP Billiton (BHPB) e Eskom

começaram a negociar uma nova extensão da Mozal (fase 3) - em Moçambique.


e uma quarta expansão do smelter Hillside na África do Sul.


para a Billiton, a viabilidade destas expansões dependerá de um bom contrato com a sul-africana Eskom.


Mahomed Seedat (vice presidente e COO da BHPB para a África Austral) admitiu no entanto que, em termos eléctricos, existem dificuldades a superar: " a África do Sul está realmente curta em potência de ponta ".



mas, e independentemente dos últimos ciúmes em Coega onde um concorrente da Billiton vai instalar um smelter de 460 000 tpa, o entendimento entre a BHPB e Eskom não parece difícil.


sobretudo se se considerar que: (1) entre outros interesses carboníferos, a BHP Billiton detem 100% da empresa sul-africana Ingwe, o maior exportador mundial de carvão de queima e, (2) que a Eskom procede actualmente a um rápido programa de descongelamento (de-mothballing) de algumas mega-centrais térmicas a carvão.



tudo indica que, uma vez mais, a BHPB e Eskom estejam a caminho de realizar excelentes negócios na produção de carga base - a partir do carvão. E muito embora não se conheçam ainda os detalhes quanto à potência de ponta, os analistas prevêem que não será difícil comprar viagra na região - ou diluído em gás natural (Moçambique), ou em hidro-electricidade  do Zambeze e/ou Inga. Sem contar com o radioactivo PBMR, onde a Eskom continua a afogar tesouros públicos.


curiosamente


na indústria do alumínio

... nem tudo o que parece é.


e, neste oceano de emissões, a BHP Billinton anda a enviar intrigantes sinais de fumo quanto aos seus fornos de alumínio.


isto porque desde há tempos que o grupo anda a tentar vender uma peregrina ideia: separar o mercado da alumina, do de alumínio. Ou seja, romper o tradicional pricing link alumina-alumínio.


candidamente sentado em 4.3 milhões tpa de alumina (projecção 2004/5), Mike Salamon (director executivo da BHP Billiton) tem vindo a explicar  os fundamentos desta revolucionária proposta:


a  prazo, os grandes lucros estão na alumina

não no alumínio.


razão pela qual importa drenar os lucros dos smelters de alumínio para os refinadores de alumina - pelo menos para quem detem várias jóias no reino da alumina, como a bacia de Worsley (Austrália) ... e uma atenção no Gana por exemplo.


neste entretanto, o boom alumineiro na China continua a agitar o mercado da alumina: de $ 115/ton em Novembro 2002, o preço prepara-se para transpor os $ 300. E a BHPB prevê mesmo que, a curto prazo, se ultrapasse a barreira dos $ 500. O que, ainda segundo Salamon (BHPB), constitui boa razão para justificar o intenso enfoque do grupo na aquisição e controle de novos depósitos de bauxite.

Aonde ? - guess.


Embora estas posições da BHP Billiton pareçam contradizer a sua recente lógica de plantação de fornos no Índico, elas são certamente resultado de uma estratégia de longo prazo.


e, a este propósito, há até quem conte a velha estória do merceeiro.


Era uma vez um merceeiro que queria vender alumina a lucros chorudos.


Com felino alcance estratégico, o merceeiro começou a plantar smelters de alumínio, ea forçá-los a comprar a alumina via gordos contratos de longa duração.


como também havia carvão na loja - uma porcaria cada vez mais difícil de exportar - o merceeiro sonhava em matar dois coelhos com uma só cajadada: criar uma duradoura e lucrativa dependência de alumina na região e, en passant, vender carvão.


o negócio tinha ainda outras vantagens que, por razões fiscais, não apareciam internalizadas na contabilidade. De facto, e porque a mercearia estava montada em zonas não abrangidas pelas metas de Kyoto - ao contrário da Austrália por exemplo - o dono da loja não tinha que se preocupar com qualquer taxa de carbono. O que lhe garantia total inimputabilidade quanto à emissão dos gases de estufa.


manhoso, e sabendo que os smelters de alumínio nunca foram a sua ambição estratégica - ao contrário da alumina - o merceeiro passava a vida a espreitar a hora de sair deste emaranhado de poluições. Particularmente porque era cada vez maior o número de gajos chatos preocupados com as convenções climáticas - e a protecção da Terra. Uma complicação que, a prazo, não valia os lucros do alumínio.


por isso mesmo, logo que os novos dependentes da alumina estivessem agarrados aos seus contratos de longa duração, o merceeiro encetaria a venda dos smelters a grupos locais - se possível com largas margens financeiras subsidiadas por um qualquer pacote LEE (Local Economic Empowerment).


um dia, um idiota entrou pela mercearia adentro e perguntou-lhe:

mas atão, para além de meia dúzia de empregos, de um pequenito impacto socio-económico, e de uma mega lixeira em mavoco, afinal o que é fica disto tudo?


cândido, o merceeiro retorquiu:


gases meu caro.

atão não os cheira ?


josé lopes


mavoco - moçambique

dezembro 2003


Gana

uma mega refinaria de bauxite / alumina ?


E. Ablorh-Odjidja

comenta o investimento de 1 bilião USD proposto pela BHP Billiton ao governo do Gana.


e recorda os planos de Kwame Nkrumah para a barragem de Akosombo - pouco antes de ser  afastado do poder.


leia


a Billion Dollar Bauxite refinery for Ghana ?